quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O EXAGERADO SENSO CRÍTICO DO NÚMERO 3

Meus assíduos leitores, tenho-vos deixado sem matéria nova por mais tempo do que gostaria, porém está difícil conciliar os mapas com os cursos e com as postagens. Mas, com jeitinho e boa vontade, eu encontro uma forma de escapar dos rigores dos deveres para uns breves momentos de convívio e de prazeres.

Os rigores são os compromissos assumidos que me põem a trabalhar com prazos. Os prazeres são os efeitos de umas escapadelas desses rigores, para um mergulho no mundo incoerente no qual prevalecem as exageradas críticas da criatura humana.

No mundo crítico e incoerente, eu me encontro com essas simpáticas e bem humoradas criaturas inspiradas pelo número 3. Elas são inspiradoras e criativas, brincalhonas e excelentes companhias, mas que não as deixemos destravar a língua para criticar algo ou alguém.

As energias do número 3 são geradoras das artes e dos artistas. Sem elas, o mundo ficaria destituído de encantamento e beleza, sem brilho e sem cor. Elas fazem as pessoas mais felizes e povoam os ambientes sociais com seus risos e rosas. Elas trazem consigo o perfume e a cor das flores, e são capazes de combinar tudo isso numa métrica perfeita de um poema de amor ou de uma sátira inesperada.

As personalidades sob a influência do número 3 são extrovertidas e bem falantes, soltam o riso em sonoras gargalhadas ou deixam escapar um sorriso irônico de canto de boca, enquanto remexem os olhos de modo que falam mais no olhar do que com a boca. Com elas, todos riem e se divertem, perdendo a noção do tempo e atropelando compromissos.

Os artistas, porém, se travestem em críticos, numa fração de segundos. Da oratória construtiva e brincalhona, elas são capazes de tomar um rumo desastroso, às vezes, desastrado, para a crítica mordaz contra uma idéia, uma obra ou um pobre coitado que não caiu nas suas graças.

Elas falam demais, e por terem argumentos inesgotáveis, qualquer que seja a temática em questão, as críticas viram acusações e se concluem em veementes condenações. De agradáveis e simpáticas companhias, elas podem tornar-se numas chatas e cansativas falastronas.

O senso crítico do número 3 é exagerado, ainda que coerente e consistente com suas razões. Os motivos poderão ser reconhecidos e aceitos, mas injustificáveis são a veemência e o tempo gasto nas críticas. A ironia e o deboche estão quase sempre presentes nos discursos dessas criaturas sociáveis e irritadiças.

Convide-as para um bate-papo, nunca as deixe fora de suas festas e reuniões, mas controle a sua fala. Se ela gosta de alguém ou de alguma coisa, certamente irá exaltar valores que nem todos serão capazes de entender ou perceber. Mas, se houver restrições ou implicâncias, seria melhor mudar de assunto, antes que surja uma enxurrada de adjetivos condenatórios.

A sensibilidade das energias do número 3 faz dessas criaturas verdadeiros artistas, assumidos publicamente ou incorporados apenas para os mais íntimos. O romantismo que alimenta os seus sonhos dá-lhes a pena literária e o papel em branco a ser preenchido em centenas de páginas recheadas de paixões e sofrimentos. O rigor à forma e à letra faz delas censores rabugentos que se apegam a pontos e vírgulas para condenar o que só merecia umas breves aspas, e nada além.

Sofrem essas criaturas alimentadas pela energia do número 3, ao construir uma obra perfeita e ao desconstruir uma idéia mal começada. Elas querem obras perfeitas, e mais do que isso, se rebelam e destroem as imperfeitas.

Essas atitudes, algumas vezes, são confundidas com as críticas de quem traz em si o perfil introspectivo e intelectualizado do número 7. A diferença é que se os artistas falam demais se expondo publicamente e não tendo o senso exato do seu exagero; os intelectuais usam o crivo do seu perfeccionismo para desprezar, desconhecer e se calar, diante do que é considerado destituído de valor.

Agora, pensa bem, meu atento leitor, como controlar os exageros desses artistas, se são eles que animam e encantam as festas? Calá-los, seria tirar o brilho das festas. Deixá-los destravar a língua, pode dar uma bruta confusão. Convidar só intelectuais e místicos seria celebrar muito mais um ritual do que uma festa.

Corre-se o risco, e vê no que vai dar? Censura-se a lista de convidados? Ou se reza para todos os santos, para que não surjam temas de discórdia que despertem a vocação promotorial desses oradores que não sossegam enquanto não condenam o réu das suas implicâncias.

Deixo-te a refletir, meu consciente leitor. Faço votos que encontres a solução ideal para o enigma proposto. E depois é só esperar as conseqüências. Mas, lembra-te bem que, as festas sem as presenças das artísticas, comunicativas e divertidas criaturas de número 3 perdem em brilho, beleza e cor.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

TEIA AMBIENTAL - A ORIGEM DA POLUIÇÃO

http://3.bp.blogspot.com/-8B0w3j8syD4/Tj6axa9dZ7I/AAAAAAAACTI/gN0pqdJ1EoM/s1600/Teia%2BAmbiental%2B-%2Bselo.jpg

Meus queridos leitores, por mais uma vez, estaremos nós, a falar de poluição. Mas, o que fazer se vivemos sob a permanente ameaça desse monstro ambiental que põe nossas vidas em risco!
O que é a poluição? Será que sempre se falou de poluição? Ou será que o termo é mais um modismo dentro do progresso? Será que existe mesmo o risco? E, se existe, quando e como tudo começou?
Escolhi o livro do futurólogo Alvin Toffler, A Terceira Onda, para ilustrar a nossa reflexão. No livro, o autor nos remete à transição entre a Primeira e a Segunda Onda, para que melhor possamos entender a razão do surgimento da poluição. É claro que estou a me referir a um tipo específico de poluição, a poluição ambiental!
Antes de prosseguir, é indispensável explicar como o autor conceitua essas duas Ondas, na história da civilização moderna. A Primeira Onda, segundo ele, está relacionada ao ciclo agrícola, e a Segunda, ao industrial. A Terceira, que seria a atual, pode ser compreendida como um ciclo tecnológico ou da informatização, com todas as imensas transformações no comportamento da raça humana.
Afirma Alvin Toffler que, a condição prévia de qualquer civilização, velha ou nova, é a energia.


A diferença, porém, entre a sociedade da Primeira Onda e a da Segunda é que, na Primeira a energia era obtida de “baterias vivas” – potência muscular humana e animal – ou do sol, do vento e da água. Tratava-se de energia renovável e, principalmente, de energia limpa ou não poluente.
Rodas hidráulicas faziam girar pás de moinho. Nos campos rangiam moinhos de vento. Os arados eram puxados por animais. Florestas eram cortadas para a cozinha e o aquecimento. Percebeste meu atento leitor que, todas essas fontes de energia eram renováveis? A natureza renovava tanto as árvores cortadas, como o vento que enfunava as velas e os rios que faziam girar as rodas de pás. Os animais e as pessoas também eram substituíveis ou renováveis.
Com o evento da Segunda Onda, o ciclo industrial, as sociedades começaram a extrair sua energia do carvão, gás e petróleo – combustíveis fósseis não renováveis. A civilização, assim, começou a consumir o capital da natureza, e não mais o rendimento que ela oferecia. As nações passaram, então, a construir altas estruturas tecnológicas e econômicas, na pressuposição de que os fósseis baratos seriam inesgotáveis.
Tu estás certo meu lúcido leitor, eu estou a falar do limiar da Revolução Industrial, de uma época em que o progresso econômico mundial ganhou uma enorme aceleração, e com ele as primeiras ameaças de poluição. No início, tímidas e quase imperceptíveis, mais tarde, incontroláveis e ameaçadoras.


Uma nova tecnologia surgiu, alimentada por um novo sistema de energia, abrindo as portas para a produção em massa. Dos grandes centros industriais passaram a sair intermináveis milhões de produtos idênticos, exigindo a modernização do sistema de transportes e distribuição.
Durante a Primeira Onda, as mercadorias agrícolas eram transportadas por tração animal e produzidas uma de cada vez, sob encomenda, e também distribuídas individualmente para cada comprador. Diante dos grandes volumes produzidos, a partir da chamada Revolução Industrial, as rudimentares formas de comunicação e os primitivos meios de transporte passaram a restringir o mercado. A Segunda Onda transformou cada limitação numa ilimitada expansão, abrindo linhas de transporte por estradas de ferro e rodovias, e incentivando o surgimento de complexas redes atacadistas, varejistas e as famosas lojas de departamentos.



Acredita atento leitor, que estás diante da história do início da poluição ambiental. Antes da Revolução Industrial, a energia renovável, e após a Segunda Onda, a utilização de fontes não renováveis. Durante a Primeira Onda, a produção de um lixo controlável, sendo boa parte absorvida pela natureza e transformada em matéria orgânica. Com o advento da Segunda Onda, o início do consumismo e do desperdício, com uma produção crescente e sem limites, promovendo a substituição do usado pelo novo, e gerando um lixo incontrolável.
A onda poluidora e ambientalmente destrutiva não para por aí. Durante a Primeira Onda, quando a agricultura predominou, as pessoas viviam em grupos familiares, formados por tios, avós, primos e agregados, todos vivendo sob o mesmo teto e trabalhando juntos. Com a Segunda Onda, a produção econômica deslocou-se do campo para a fábrica, e com isso, a família não mais trabalhava junta.
O resultado mais imediato foi o conflito e a tensão entre os membros da família, se opondo à autoridade patriarcal. Era preciso construir novas casas para abrigar esses dissidentes, que saíam da casa dos pais ou parentes, e iam trabalhar por conta própria em fábricas ou no grande comércio distribuidor dos novos produtos.



A necessidade de novas moradias expandiu o mercado de construção, e com isso sofreram as áreas até então preservadas, fazendo surgir vilas industriais onde antes corriam rios e cresciam árvores. A devastação das florestas, para o corte da madeira, cresceu. Os resíduos deixados para trás, após a conclusão das obras, foi tomando conta do solo. Os dejetos das novas residências, num volume até então jamais imaginado, passou a ser lançado em córregos e lagos, ou simplesmente em fossas e valas.
As chaminés das fábricas, incentivadas pelo consumismo exacerbado, lançavam fumaça no ar e resíduos tóxicos nos antigos mananciais que, antes, saciavam a sede das populações rurais. E tudo isso cercado de uma ingênua e irrefreável euforia. Quem poderia sonhar com todos os efeitos poluidores e devastadores, num futuro distante?
Acredito, sinceramente, meus leitores conscientes e inteligentes, que o progresso é realmente inevitável, mesmo quando promove poluição, doenças e desgraças. Mas, fechar os olhos para suas nefastas conseqüências, quando são identificadas e catalogadas como causadoras da destruição da qualidade de vida e da contaminação do corpo físico da criatura humana, é de uma irresponsabilidade estúpida e insana.
Estamos, no momento, penetrando na Terceira Onda, quando o progresso tecnológico deverá corrigir os desvios provocados pela Revolução Industrial, e promover uma expansão econômica e produtiva mais coerente com a saúde do planeta e da civilização que o habitará nos próximos milênios. A repetição dos erros cometidos na Segunda Onda poderá ser fatal às gerações futuras.
Deixo-vos, agora, a refletir sobre as prioridades para as próximas décadas, quando estará em jogo o futuro da humanidade. Deixar-se seduzir pelo poder criativo da mente humana, sem levar em consideração os seus anseios espirituais, seria uma tolice lamentável. Colocar os lucros e as conquistas materiais acima da segurança e do bem estar coletivo, seria o caminho mais rápido para sucessivas desgraças ambientais.



A humanidade precisa assumir suas responsabilidades o quanto antes, deixando de ser comodista e preguiçosa, e tratando de fazer o trabalho que compete a cada um. Chega de pedir milagres a Deus, para protegê-la de perigos por ela mesma provocados. O mundo não vai acabar em 2012, mas a humanidade, se prosseguir poluindo o planeta e agredindo suas reservas naturais, poderá desaparecer muito antes do que se imagina. E não haverá Deus que a proteja se não souber usar seus poderes divinos, que foram recebidos desde a criação.
Agora, que já sabeis a origem da poluição que contamina os nossos pulmões e de onde vêm os resíduos tóxicos que contaminam o nosso sangue, tratais de fazer a vossa parte. Ninguém poderá continuar a contaminar o planeta, se vós não fordes cúmplices, por adquirir todo o lixo que é produzido e despejado nas lojas. Não comprais o supérfluo, para que, no dia seguinte, não se transforme em lixo. Não troqueis vossos aparelhos eletrônicos, só porque novos modelos foram lançados no mercado, antes de escolherdes sobre a destinação correta que será dada aos equipamentos usados.



Pensai bem, meus cuidadosos leitores, que de nada adianta saber as causas, se não souberdes lidar com os efeitos. Aprender com o passado é um ato de sabedoria. Antes que a Terceira Onda acabe por devastar o que a Segunda Onda começou, está na hora de usar a tecnologia e a informatização para curar os males antigos e preservar a saúde futura.
E, não podes omitir-te ingênuo leitor, tu és uma das peças desse quebra-cabeça, que precisa ser decifrado, e quanto antes, melhor. Reduze o que consomes, reaproveita o que substituíste e recicla o que já não te é mais útil. E não fica esperando pelos outros, para começar. O tempo está se esgotando.