quinta-feira, 11 de junho de 2009

Combinações kármicas - expressões matemáticas da alma


Os karmas, para quem não tem um convívio muito íntimo com os seus significados, costumam ser intrincados enigmas, de difícil compreensão e aceitação. Imaginem só, quando eles surgem em dupla, em trio ou num quarteto, que confusão nas mentes e quanta revolta no coração!



Os mistérios das origens kármicas provocam muita curiosidade e especulações, mas bem poucos têm a noção exata dos segredos que trazem e de como decifrá-los.
Os karmas são vistos como fantasmas espirituais, quase demônios, de quem todos querem distância. Ninguém gosta de reconhecer suas origens kármicas, e
quase todos se recusam a se identificar com eles.



A realidade, a que poucos se dão conta, é que, os karmas, por serem meros efeitos de ações cometidas noutras vidas, são inevitáveis, como se fossem o trovão após um relâmpago.
A grande maioria, daqueles que me consultam, fica logo assustada, quando menciono a presença de números kármicos em seus mapas. Quem já fez regressão ou consultou videntes, esperava ser informado que, em vidas passadas, já fora rei, santo ou herói. E fica decepcionado, arrasado mesmo, quando toma consciência dos karmas que carrega nas costas.

As pessoas, de um modo geral, têm dificuldades em reconhecer suas fraquezas, e quase ninguém conseguem enxergar o seu lado mau, às vezes cruel e perverso. A impressão que se tem é que somos poços de virtude, forçados a lidar com o lixo e a poluição produzida pelos outros. Daí porque, é comum encontrar-se justificativa para todos os nossos erros, transferindo-se culpas e não as reconhecendo em nós.



A realidade, porém, é que a humanidade sofre de 4 espécies diferentes de males kármicos, diagnosticados na numerologia sagrada pelos números 13, 14, 16 e 19. Se possível fosse definir cada um deles, por uma única atitude reprovável, poderíamos resumir esses "pecados de outrora" em medo, egoísmo, ganância e dominação.
Cada uma dessas malignas heranças se desdobra, porém
, em diversas pequenas partículas maldosas, que compõem o conteúdo malévolo de todos os karmas.




O karma 13 é o medo do desconhecido, a omissão diante do que se esconde por trás dos remorsos de más ações de outras vidas. Os traumas resultantes dos atos maldosos, que foram praticados em vidas passadas, inibem e acovardam.
O karma 14 é o efeito dos apegos à matéria e aos prazeres físicos, que foram as sementes do egoísmo que levaram ao rompimento com as pessoas amadas.
O karma 16 é o sinal da vaidade, do egoísmo, da traição e do que de pior se pode esperar da criatura humana.

O karma 19 é a imagem do dominador, usurpador, o que explora o trabalho alheio e toma para si o que retira dos outros.




Se sozinhos, os karmas já trazem desgraças, tragédias, destruições e mortes, quando surgem em parcerias, aí mesmo é que podem tomar proporções c
atastróficas.
A presença desses números kármicos revela, é verdade, diversas más ações do passado, mas não condena ninguém "ao fogo eterno", nem as expulsa em definitivo do Paraíso. As saídas existem, para cada caso, como bulas de remédio, que indicam as dosagens corretas e os efeitos colaterais possíveis. Por isso mesmo, é preciso saber ler a bula e estar preparado para conviver com os tais efeitos colaterais.
A tradição popular costuma dizer que "o que arde, cura, o que aperta, segura". Não se pode pretender vencer a dor e as doenças do corpo, sem uma dose de sacrifício. E o mesmo acontece com as doenças da alma.






Se alguém sofre com um nº 13 junto a um 19, terá de sab
er que irá precisar trabalhar dura e intensamente, para que possa compensar o pouco que fez noutras vidas. E não adianta lamentar as perdas, pois elas serão indispensáveis para pagar as dívidas contraídas e jamais quitadas no passado. A esses pobres revoltados, lembro que, quando exploraram os outros, pondo-os a trabalhar para a sua opulência, se sentiram como donos do mundo, insensíveis às carências alheias. Agora, está na hora de devolver o que retiraram para si, sem merecimento, sem qualquer esforço.





Se o 13 aparece associado ao 16, será preciso entender o mo
tivo do medo por tudo que se relaciona aos fenômenos espirituais. Essas apavoradas criaturas, quase sempre, muito apegadas às crenças e religiões, muito ortodoxas e conservadoras, foram praticantes de magia negra e se aproveitaram dos seus conhecimentos e poderes para realizar rituais secretos com a intenção de dominar as mentes e os corações daqueles sobre quem lançavam seus feitiços. Agora, terão de aprender a empregar seus dons de magia e vidência para o bem, para aconselhar e curar os que buscam sua ajuda.
Se um 14 se une a um 19, houve rompimentos de relacionamentos amorosos, abandonos de filhos e ações de dilapidação dos bens da família. Se o encontro é do 16 com o 19, tirania e despotismo foram os estigmas de crueldade, dos atos praticados noutras vidas. Se é o 14 que surge junto ao 16, então, haja egoísmo e ambição para resgatar.





De uma coisa é preciso não esquecer, dos karmas não se p
ode escapar. Não há milagres que os anulem, nem orações que os perdoem. Nem adianta pedir a algum santo milagroso, e muito menos fazer promessas. Mas, nunca se deve deixar de orar e pedir perdão.
A oração é o diálogo silencioso
com o nosso"ego divino". O perdão é o sentimento do nobre arrependimento, que não anula o erro, mas consola e redime a alma. Mas, nenhum dos dois exime das punições kármicas, às quais deveremos submeter-nos, com humildade e aceitação.
Há de ser a forma como nos portarmos, diante dos karmas,
que determinará o tempo e o espaço dos sofrimentos e das frustrações em nossas vidas.


A felicidade e o bem estar de cada um de nós independe da q
uantidade e da qualidade dos karmas trazidos de outras vidas, mas estão diretamente relacionados com o modo com que viermos a encará-los e a conviver com eles. A não ser assim, será uma luta inglória contra o destino. E, nunca é bom esquecer que o destino é o braço direito de Deus.

12 comentários:

  1. Ótimo texto querido amigo Gilberto. Eu que carrego um Karma 16 na alma fico feliz em poder aprender cada vez mais. Quando fiz o curso e descobri meu Karma muito coisa ficou mais clara. Meus medos, o que eu evito e porque evito. Espero estar aprendendo a ser menos egoísta, já que minha missão é 22+9 o que facilitaria o desenvolvimento da personalidade 6.Grata mais uma vez. um grande abraço para você e para a Flora.

    ResponderExcluir
  2. Que bom, Daniele, que pude dar-lhe mais uma ajudinha !
    Espero encontrá-la no curso que darei nos dias 25 e 26 de julho. Estarei enviando-lhe uma mensagem sobre o curso, e peço-lhe que entre em contato com a Maria da Glória.
    Um abraço.
    Gilberto.

    ResponderExcluir
  3. Olá Gilberto!
    Mandei-lhe um email, pois tenho a seguinte dúvida. Aonde entra os meus números karmicos?

    Meu nome soma 36;
    Meu sobrenome soma 14;
    Meu nome mais sobrenome soma 50;
    Ou seja sou de número 5.
    Somente as vogais somam 16;
    Somente as consoantes somam 32;

    ResponderExcluir
  4. Ops, desculpe.

    corrigindo:

    Meu nome soma 36;
    Meu sobrenome soma 14;
    Meu nome mais sobrenome soma 50;
    Ou seja sou de número 5.

    Somente as vogais somam 18;
    Somente as consoantes somam 32;

    agora sim, tava errado, agora está certo. É so o numero 14 mesmo a minha complicação.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Beatriz :
    Agradeço a sua visita ao Alma Mater, e vou tentar ajudá-la a entender melhor a presença do karma 14, na sua vida.
    A visão espiritual de nossas vidas contraria tudo que a maioria das pessoas crê ser importante, por isso, muitas vezes, é difícil explicar certos aspectos kármicos.
    Os karmas, quando revelados no mapa, servem de alerta para não se repetir os desvios cometidos noutras vidas.
    Esses desvios nem sempre são terríveis "pecados", como alguns possam julgar, mas simples desvios cometidos na rota da evolução da alma.
    Se o seu nome é só Beatriz Luz, então a sua alma é 9, a sua personalidade é 11+3 e a sua missão 14/5.O 11 é um nº mestre, e não pode ser reduzido, pois representa o mérito trazido de outras vidas.Assim como o karma é a expressão de erros cometidos em vidas passadas, o nº mestre é o oposto, é o mérito de boas ações.
    Diante disso, procure entender que a sua missão é 5, diante do karma 14, e como tal terá de enfrentar muitas mudanças na vida. A maior delas poderá ser a superação da sua timidez e das suas mágoas e inseguranças, que só poderão ser vencidas através de uma liderança espiritual, com muita bondade e compreensão.
    A sua alma tem facilidade para amar e ajudar os outros, aqueles que nem conhece, mas que precisam de sua caridade,e tem dificuldade para lidar com o amor mais íntimo, junto à família. Sendo uma alma muito generosa e desapegada,e sempre pronta a servir,ainda assim precisa evoluir no sentido de saber doar o seu amor às pessoas mais próximas, com as quais tenha de conviver mais intimamente.
    Muito necessitada de ser livre e independente, terá de aprender a se submeter a regras e padrões que a prendam a responsabilidades que não gostaria de assumir, em especial as responsabilidades rotineiras de dona de casa.
    Enfim, o nº 14 na sua missão fala dos seus abandonos de família em outras vidas, deixando pessoas sofrendo com a sua partida. A sua vida pregressa espiritual nunca foi dedicada à família, mas aos outros que pediam ajuda, e lá ía vc em socorro dessas pessoas, deixando para trás uma mãe chorosa ou filhos saudosos. E isso gerou karmas de abandono e rompimento, que exigirão grandes mudanças de comportamento e de sentimentos, ao longo da vida atual.
    Um estudo mais profundo revelaria como fazer e o que fazer, e também o que nunca voltar a fazer.
    Mas, isso só através da análise do mapa completo.
    Por enquanto, o melhor mesmo é aceitar e admitir que vive muitos conflitos íntimos, por gostar de uma coisa, mas sentir que tem de fazer outra, querer ficar na sua, agindo na retaguarda, sem se expor, e ser chamada a falar em público, e ter de superar suas vergonhas e inibições.
    A vida é assim mesmo, Beatriz, nem sempre a gente pode fazer o que se tem vontade, pois é preciso agir de acordo com os ideais espirituais da alma, que por vezes se conflitam com as preferências da personalidade.
    Procure não resistir às mudanças, pois não conseguirá evitá-las, e ainda ssofreria os efeitos da sua teimosia. Deixe-se levar pela intuição e siga o seu coração que é amoroso e bom, e que precisa aprender a amar e a compartilhar seus sentimentos com a família e as rotinas domésticas.
    Agradeço a sua visita.
    Volte sempre.
    Gilberto.

    ResponderExcluir
  6. Olha, Beatriz, voltei para lhe dizer que desapegos, nem sempre se referem a valores materiais, mas a tradições e costumes rígidos, com os quais vivemos apegados.
    Desapegar-se de idéias fixas e de atitudes repetitivas é, no seu caso,indispensável.
    Siga o que o Raul Seixas cantou numa das suas músicas. "Prefiro ser uma metamorfose ambulante do que ter opinião formada sobre tudo".
    Um abraço.
    Gilberto.

    ResponderExcluir
  7. A palavra Karma tem realmente um peso forte mas julgo ser mais importante encara-la ao invés de fugir dela. Eu sempre tive necessidade de me conhecer e encontrar nesta vida e percebo agora que só o poderei fazer, conhecendo o meu passado longínquo.

    Parabéns pelo blog, estou a gostar muito de o ler, Gilberto!

    Um abraço de Portugal!

    ResponderExcluir
  8. Que bom que está gostando, Alexandra!
    Os karmas devem ser vistos como coisas do passado que precisam ser resolvidas no presente.
    Sabe aquela bobagem que a gente fez ontem, e pensava que estava sendo a rainha do baile? Pois é, o karma é mais ou menos isso.
    No dia seguinte, ou na vida seguinte, a gente acorda e vê a besteira que fez, e percebe que terá de consertar os estragos.
    De nada adianta fazer de conta que não houve nada, nem se pode ficar repetindo o erro, só para não entregar os pontos e reconhecer que precisa assumir as culpas.
    Encarando o problema de frente é bem mais fácil resolvê-lo. Se tem que consertar o que foi feito, que se comece já, pois quanto antes livrar-se do karma, mais leve fica a sua vida.
    Tente identificar-se com um dos 4 karmas, e se for o caso comece a enfrentá-lo e vencê-lo através de mudanças de atitudes.
    Experimente só para ver, como é emocionante perceber as nossas mudanças.
    Um abraço, Alexa.
    Gilberto.

    ResponderExcluir
  9. Olá Mestre , Não sei se tenho numeros Karmicos , Queria Conselhos de como descobri-los , por favor me ajude. no post passado disse que tenho o 14 e o 12 mais não sei se é bem assim , mestre como descrubir esses numeros ?

    ResponderExcluir
  10. Meu insistente e curioso, José Fabrício:
    Olá, José Fabrício:
    Enquanto eu não perceber que já esteja pronto a receber certas informações, não adiantará pedir ajuda para decifrar números da sua vida.
    Em primeiro lugar, tem de vir o despertar da sua consciência espiritual, e só depois o uso dos números para se conhecer mais profundamente.
    Já começou a ler os livros que eu indiquei?
    O que tem feito para aprender mais sobre os Mistérios, além de ler o ALMA MATER?
    Um abraço.
    Gilberto.

    ResponderExcluir
  11. Sim, Vera Lúcia, os meus cursos são via internet.
    Mas, terá de aguardar a abertura do novo curso para janeiro do ano que vem. A cada início de ano começam três cursos, um Fundamental para os principiantes, o Médio para os que saem do Fundamental e desejam aprofundar seus conhecimentos e um Superior para os mais adiantados.
    Se desejar ser convidada, me escreva e deixe o seu email.
    O meu email é gilbertodacunhagoncalves@gmail.com

    Aguardo o seu contato.
    Abraço.
    Gilberto.

    ResponderExcluir