sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

DIÁLOGO SILENCIOSO NUM NATAL DISTANTE

Meu querido amigo, minha querida amiga, nada nos deixa mais sensíveis do que a aproximação do Natal. Uns, vivem o ano inteiro, à espera desse dia, outros, pelo contrário, alegam detestá-lo. Mas, todos, de alguma forma, estão ligados nele.

Há muito tempo atrás, surpreendi um diálogo silencioso, entre minha Alma e minha Personalidade. Silenciei minha mente, para ouvir o que diziam. A Personalidade fazia planos para a festa e contabilizava os presentes a ganhar. Minha Alma chamou-lhe a atenção, censurando os apegos materiais.

A Personalidade retrucou que adorava as festas natalinas e que gostava de ganhar presentes. Ela falou do prazer nas surpresas dos presentes e na fartura da mesa na hora da ceia. E, ela ouviu mais críticas e censuras, vindas da Alma.

Dei razão à Alma, afinal de contas, o Natal é uma celebração sagrada e não esse consumismo em que foi transformado nos tempos modernos. A Personalidade defendeu-se com argumentos místicos. Ela acusou a Alma de ser insensível com a sua condição de existência passageira. Dizia ela que, enquanto a Alma tem vida eterna, ela só vive uma única vida. Assim, é mais do que natural querer aproveitar o máximo que pode. E, neste caso, era um consumismo comedido, alguns presentes a mais e um prato cheio com direito a repetição. Está bem, ela reconhecia que uns dois ou três copos de vinho, mas nada além.

A Alma passou-lhe uma descompostura, lembrando-lhe que ela estava ao seu serviço, e qualquer deslize iria repercutir na sua próxima existência. A Personalidade não se fez de rogada e acusou a Alma de explorar o seu trabalho e não lhe dar o direito de lazer ou férias.

A Alma ainda teve de ouvir acusações de que todas as conquistas futuras seriam frutos da dedicação da Personalidade à Missão. E que ela, a Alma, passava-lhe suas experiências, é verdade, mas quem tinha de executar as tarefas e correr riscos de fracassos, era ela, a pobre e sacrificada Personalidade.

Eu já estava quase interferindo, quando ouvi uma voz mansa e suave, vindo lá do fundo da mente, dizendo: “Está bem, minha esforçada Personalidade, para manter a nossa harmonia, eu e tu celebraremos juntas este Natal. Mas, eu ficarei de olho nos teus excessos. Cada garfada e cada copo de vinho a mais poderá significar um crédito a menos na minha evolução. Cada ambição por um presente mais caro e um desprezo por outro mais simples pode provocar retrocessos e karma”.

A Personalidade agradeceu e deu um abraço virtual na Alma. Ambas celebraram a harmonização dos opostos e a certeza de que não provocariam doenças no corpo físico. E daquele Natal em diante, nunca mais o fato se repetiu. Assim deveriam agir todas as Almas e Personalidades, abraçando-se umas às outras, e todas com todas.

A minha Alma se junta à minha Personalidade para abraçar os meus amigos e inimigos. Sim, eles existem, sempre existem, por mais que tentemos evitar que aconteça. Desejo um Natal muito feliz e pacífico para meus conhecidos e desconhecidos. E, por fim, desejo uma bela e solidária festa de confraternização para a minha e para as vossas famílias.

Sempre existirão Almas e Personalidades em conflito, cada qual ocupada com os seus interesses pessoais, mas todas deverão buscar uma integração de ideais, até porque elas não podem divergir, já que uma não existe sem a outra. Aliás, meus amigos, isto não é nenhuma novidade, ou não deveria ser.

Assim como as Almas e Personalidades dependem uma da outra, uma não existe, se a outra não existir, nós humanos também não podemos viver uns sem os outros. Nós precisamos uns dos outros.

É uma pena que muitos só parem para refletir sobre isto a cada Natal!

Vamos fazer de cada dia de 2012, uma celebração natalina? Vamos desejar de coração a todos um feliz ano novo? Assim, estaremos unidos o ano inteiro, celebrando a vida, renascendo a cada dia e proporcionando à nossa Personalidade o gostinho da eternidade.

Felicidades a todos os meus irmãos em humanidade.

FELIZ NATAL E UM 2012 COM MUITA PAZ E AMOR.

sábado, 17 de dezembro de 2011

A OVELHA E O PEREGRINO

Meus fiéis leitores, eu venho refletindo bastante sobre o momento espiritual por que passa a humanidade. Muitos acreditam que estamos vivendo uma grande expansão da fé, por causa do crescimento das igrejas evangélicas. Outros pensam ao contrário, sob a alegação de que a violência continua crescendo e os abusos e assédios sexuais se multiplicam, envolvendo, inclusive, representantes das diversas igrejas mundiais.

Confesso-vos que, na minha cadeira de observador, lidando com um público espiritualizado acima da média, não compartilho de nenhuma das duas opiniões. Eu sou forçado a reconhecer que vivemos uma imensa movimentação religiosa, mas que não me parece resultar num aumento de religiosos, mas numa redistribuição de fiéis pelas várias religiões.

Os movimentos religiosos se sucedem, procurando atrair novos fiéis para os seus antigos templos, ou, quem sabe, antigos fiéis para seus novos templos. As religiões utilizam de toda forma de marketing para convencer os tementes a Deus que a sua, e não a outra, é a garantia maior de se obter um lugar no céu. Elas promovem uma espécie de dança das cadeiras, atraindo para a sua igreja, o freqüentador da outra. Mas, não se ouve quase falar de ateus que se converteram a esta ou aquela religião.

Na Numerologia da Alma, as religiões são reconhecidas como uma prática devocional, da qual é o número 6 o ícone que as identificam e reconhecem numa análise numerológica. O mais interessante é que pelo mesmo número 6 chega-se a outras práticas tradicionais como o casamento, a família, a maternidade e a educação escolar. A religião estaria no mesmo patamar dessas práticas conservadoras e presas a tradições sociais.

Numa outra perspectiva e num patamar diferente, simbolizada pelo número 9, encontraríamos a espiritualidade, destituída do sectarismo religioso e sustentada pela fé num Ser Superior ou Divino, que a maioria denomina Deus. Entre uma tendência e outra, identificam-se muitas crenças em comum, mas uma tendência básica é suficiente para afastá-las uma das outras – a autoridade eclesiástica.

As igrejas precisam da autoridade que estabeleça as regras da fé e as convenções a ser seguidas, para determinar o virtuoso ou o pecador, a consagração ou a punição, as datas festivas e as celebrações ritualísticas.

A espiritualidade é um ato espontâneo de cada espiritualista, que segue uma jornada pessoal, tal qual um peregrino, em busca da iluminação. Ela não está inserida em instituições ou regulamentos, ela é um ato de fé numa presença indefinida e divina que se manifesta em tudo e em todos.

Não, meu caro leitor, o Espiritismo não deve ser confundido com esta espiritualidade de que falo. O Budismo e o Taoísmo também não. E, naturalmente, nenhuma das religiões judaico-cristãs. Todas essas manifestações de fé que, nas suas origens, tiveram um ideal de livre expressão da espiritualidade humana, um dia se tornaram religiões, e passaram a ter um comando superior. E, se possuem um chefe, não é mais o que denomino Espiritualismo.

O Espiritualismo é como um despertar da alma humana, atendendo um chamado do Alto, como se a Divindade dispensasse os intermediários e se dirigisse diretamente aos que são capazes de acolher a mensagem, sem precisar da versão ou tradução de um líder ou guia espiritual.

Os devotos alegam que a humanidade precisa do pastor para guiar o rebanho. Os pastores ensinam que, somente quem é capaz de interpretar a linguagem sagrada dos livros religiosos poderá transmitir a verdadeira palavra dos profetas. As diversas religiões brigam entre si para impor suas verdades, que, na maioria das vezes, nem são as dos seus profetas, e longe estão de traduzir o que disseram os grandes Seres que as inspiraram.

Na igreja católica, os padres lutam com todos os argumentos seculares, para sustentar hábitos e tradições que são rejeitados, por grande parte dos seus seguidores. Nos templos evangélicos, pastores esbravejam aos berros, a maioria deles mal preparados para a função, tentando convencer pela altura da voz e não pela lucidez dos seus argumentos.

Nas religiões orientais, a situação não diverge muito das religiões judaico-cristãs, por insistirem em práticas que estabelecem verdades de cima para baixo, ou melhor, de fora para dentro. Os religiosos ainda não despertaram para o fato de que o diálogo Criador-criatura não mais exige tradução, e que os tradutores estão dispensados.

A leitura dos textos sagrados sugere que, um dia, isso viria a acontecer, e que Deus falaria à humanidade de um modo natural, sem véu e sem mistérios. Mas, as autoridades religiosas nunca aceitarão reconhecer que esse dia já chegou, e teimam em manter o poder e o controle sobre a sua comunidade de fiéis.

Todos, meus nobres leitores, todos os líderes religiosos resistem em entregar o poder sacerdotal aos seus fiéis liderados, considerando-os incapazes de falar com Deus. O mesmo argumento é utilizado pelos ditadores, quando não permitem o voto direto do povo, sob a alegação de que o povo não sabe escolher.

O povo não poderá jamais saber, se não praticar. Seja o ato de votar, de rezar, de governar. Se eu nunca ouvi a música suave e melodiosa, não poderei preferi-la a esses sons desconexos e patéticos. Se tu ainda não leste um escritor clássico, irás preferir ler o pasquim ou essas revistas semanais pretensamente sérias. Se não treinares os teus ouvidos espirituais para ouvir a palavra divina, não entenderás nada, e terás de recorrer a um intérprete que entendendo tanto quanto tu, e presumindo uma sabedoria que não tem criará uma interpretação bisonha e viciada em crendices descabidas.

O Espiritualismo está se irradiando por todo o mundo e despertando a verdadeira religiosidade na humanidade. O movimento é lento, porém inexorável, não pode ser interrompido, nem acelerado. A voz divina soa nos ouvidos espirituais dos seres despertos, que não buscam fora de si verdades que estão presentes no fundo de suas almas, onde sempre estiveram desde o início dos tempos.

Meditação, reflexão, estudo, leitura, atenção, silêncio e outras atitudes simples e espontâneas abrem os portais dos templos para a Iniciação. Aquele que prefere continuar recorrendo ao intérprete ou tradutor deverá seguir o que a sua consciência mandar. Mas, os que já não aceitam mais a coleira no pescoço devem confiar no seu Deus Interior ou seu Cristo Interno e sair em peregrinação a buscar a Iluminação, liberando os pastores para os rebanhos que permanecem nas pastagens.

Os Grandes Mestres não criaram religiões, foram seus seguidores que instituíram as igrejas. As doutrinas dos Mestres foram perfeitas, as versões dos seus seguidores tão imperfeitas como os seres que as redigiram, traduziram e as modificaram ao seu bel prazer ou interesse.

Eu te entendo, estás habituado às rotinas da tua fé, e tens medo de não seres capaz de lidar com a liberdade de falar com Deus. Mas, eu antevejo alguns que silenciosos se puseram a imaginar uma nova conduta, que responda melhor às suas dúvidas e incertezas.

Agora, meu atento leitor, tu podes escolher, ou a coleira na pastagem ou a estrada livre do peregrino.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

COMO TER UM CONSUMO SUSTENTÁVEL






Teia Ambiental - em defesa da saúde do planeta!

Meus ecológicos leitores, a realidade é que o termoo sustentável entrou decididamente na vida dos cidadãos da Terra. Temos de nos acostumar com o fato de que todos desenvolvimento terá de ser sustentável, cada ação pessoal precisa ser ecologicamente correta e, agora, afirmam os especialistas que o consumo terá de entrar nessa condição de sustentabilidade.

Consumir de forma sustentável parece uma atitude estranha para quem está acostumado a encarar o consumo como algo que depende do poder financeiro de cada consumidor.

Os estudiosos ambientais dizem que é preciso mudar hábitos e, se não bastassem essas mudanças, sempre difíceis de ser assumidas, é necessário também cobrar ações das empresas e do governo.

A palavra para o terceiro milênio parece ter sido definida de uma vez por todas como PARTICIPAÇÃO. Não basta fazer a sua parte como manda a lei, é preciso mais, é indispensável participar.

E nessa guerra contra o excesso de consumo e pela preservação da qualidade de vida, quem entrou na luta foi o IDEC – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Lisa Gunn, coordenadora executiva do IDEC, afirma que, desde a RIO-92, ficou claro que os nossos principais problemas sócio-ambientais são decorrentes dos atuais padrões de consumo.

Segundo ela, para que haja sustentabilidade no planeta é preciso mudar os hábitos, mas mudar muito. Ela é categórica ao afirmar que todos precisam ser responsáveis e fazer a sua parte – consumidor, empresas e governo.

‘Os atuais padrões de consumo são insustentáveis’, afirma Lisa.

Meu leitor consumista, de nada adianta reclamar e dizer que é livre para comprar e gastar. Não há liberdade que sustente a tua ânsia de consumo, quando a vítima é a natureza e, conseqüentemente todos nós.

Nem me venhas com a choradeira de que já separa o lixo, porque é muito pouco. É preciso cobrar do governante a coleta seletiva e a destinação correta dos resíduos sólidos, recicláveis ou não.

Quantos carros tu tens na tua garagem, meu nobre leitor? Sabias que se todo mundo tiver um só carro, as cidades ficarão intransitáveis?

Por outro lado, o governante terá de oferecer um sistema de transporte de massa eficiente para que o cidadão possa abrir mão do carro. Enquanto isso não acontece, o ideal é que se pesquise e se escolha um carro que seja mais econômico e tenha menos emissão de poluentes.

Na opinião de Lisa, mesmo que a Política Nacional de Resíduos Sólidos ainda não esteja regulamentada, os consumidores devem cobrar das indústrias uma maior rapidez na adoção dessas políticas ambientalistas.

O que tu não podes mesmo é cruzar os braços e esperar que o governante sozinho faça a parte dele. Se cada governado não assumir a sua parte e não cobrar das autoridades, a situação ficará cada vez pior.

Já paraste para questionar para onde vai o teu lixo? O que é feito dos detritos que são recolhidos diariamente na tua cidade? Já procuraste saber quantas toneladas de material jogado fora vai para o lixão? Sabes onde fica esse lixão e se o local é protegido para que não vaze o chorume para os rios ou para os aqüiferos no subsolo?

Não é que sejas obrigado a saber dessas coisas, mas seria muito bom que soubesses, pois teus filhos podem estar correndo riscos de contaminações e doenças. Isto não é um problema do governo, mas de cada família.

E na hora que fores ao supermercado, não te deixes tentar pelas ofertas que acabarão estragando e indo para o lixo. E se passares naquelas lojinhas de um real ou um e noventa e nove, por favor, não compres aquelas quinquilharias só porque são baratinhas. Elas serão o lixo de amanhã.

O planeta já não suporta tanto lixo, é lixo demais para compartilhar espaço com os pobres habitantes da Terra, expostos a esses despejos de detritos na terra, na água e no ar. Estamos sendo sufocados pelo lixo. Poupai-nos perdulários que compram o que não precisam e que transformam em lixo as compras da véspera!

Coloca na tua agenda, meu consciente leitor – procurar o prefeito da tua cidade ou o secretário de desenvolvimento urbano para cobrar informações sobre o destino do lixo. Reúna um grupo de amigos, marque uma reunião sobre o assunto, e tomem posições e atitudes.

O lema é pensar global e agir local. Vamos começar? O planeta agradece.





quarta-feira, 30 de novembro de 2011

EM BUSCA DO NIRVANA OU DO CÉU

Ah, meus caros leitores, todos querem o céu! Os budistas clamam pelo Nirvana, os cristãos sonham em subir aos Céus. Os muçulmanos querem ser recebidos por Alá. Os judeus, por Jeová. E tu, o que esperas encontrar ao fim da vida?

Todos esses locais sagrados ou estados de consciência superior são atingidos com a morte, mesmo que seja uma espécie de morte em vida, um estado de libertação dos sofrimentos, como pensam os budistas.

De acordo com a concepção budista, o Nirvana seria uma superação do apego aos sentidos, uma rejeição ao sentimento de propriedade e um absoluto desapego aos prazeres do plano físico.

A conceituação cristã não difere muito do ideal de encontrar a paz nos Céus, junto a Deus. O mesmo pode-se dizer do muçulmano na sua jornada ao encontro de Alá. E o que isso difere da visão judaica, em relação ao seu Deus Jeová?

A morte é o fim da estrada, onde se encontram esses santuários acolhedores das almas. Não se consegue alcançar esses estados superiores de consciência, se não morrermos para os apegos ao mundo material e nos entregarmos nas mãos do insondável destino.

Não sabemos o que virá no final da estrada da vida, ainda que cada crença nos proponha uma destinação divina, desde que cumpramos os rituais de passagem, estabelecidos por essas crenças e que fazem parte dos dogmas religiosos que as sustentam através dos séculos ou milênios.

Se for preciso morrer para alcançar a vida eterna ou a recompensa espiritual divina, por que tanto medo da morte? Os mais fervorosos dos crentes, e não importam suas crenças religiosas, se contorcem de angústia, quando o assunto é a morte.

Ou não é a morte a ponte salvadora que transporta a alma para os Céus ou para o Nirvana, ou, é sim, mas são os religiosos que não admitem abrir mão do sofrimento e dos “pecados” do mundo da matéria. Entre pecar com prazer físico ou ascender ao prazer espiritual da comunhão divina, a incalculável maioria se apega à matéria.

O medo, sim o medo, pode mudar o rumo dessa decisão. Mas, tu não achas, caro leitor, que só se for um medo apavorante? Se for uma historinha do que pode acontecer, com quem não fizer isto ou aquilo, não funciona, ou pelo menos não tem funcionado.

Tenho convidado muitos interessados nos segredos da Numerologia da Alma a participar de cursos de Iniciação Espiritual, para que se conheçam melhor e possam ascender a esses Planos Superiores, onde poderão comungar com o Divino. Mas, quando percebem o enorme trabalho que terão pela frente, com o estudo e a mudança de hábitos, com o abandono de vícios e com a transformação de suas vidas, desapegando-se de falsas crenças e falsos valores, a grande maioria recua ou desiste no meio da jornada.

É que essa maioria se deixou levar pela fantasia de que com um pouco de estudo e prática, a iluminação é garantida, senão no início da jornada, pelo menos nos passos mais adiante.

Todos se julgam bonzinhos e dignos de serem reconhecidos como santos, gurus ou iluminados, bastando confessar suas crenças num Deus amoroso e justo, que tudo se resolve. Mas, com o passar do tempo, com a carga iniciática cada vez maior e com as forças de oposição agindo de modo incansável, tentando, seduzindo e iludindo, o postulante se desanima e desiste pelo caminho.

Muitos desses desistentes alegam que pensavam que seriam brindados com visões angelicais ou mensagens proféticas, assim que dessem os seus primeiros passos no caminho espiritual. Alguns mais sinceros confessam que não conseguem abrir mão dos prazeres da vida, mesmo os mais simples e puros, como o álcool, a gula, as farras, inocentes traições, breves atos de egoísmo, um pouco de ostentação e vaidade, e diversas outras atitudes, todas elas incompatíveis com a Iniciação Espiritual.

A humanidade geme de dor, a cada dia, hora e minuto. As doenças proliferam nos países ricos e pobres, com vírus diferentes, mas todos danosos ao corpo, ou letais. A violência toma conta dos centros urbanos, confrontando a polícia com o povo rebelado. As guerras confrontam nações, por razões fúteis, quando analisadas sob a ótica espiritual, mas perfeitamente justificáveis, sob o enfoque político.

Os ditadores violentos se encontram não só nos reinos distantes, mas dentro dos lares, fábricas e escritórios, comportando-se com arrogância e prepotência, impondo-se pela força. Os criminosos são educados em Escolas e Universidades, e aprendem a enganar a sociedade e a transgredir as leis, com a sutileza de um maestro que orquestra o crime organizado, encoberto por pautas e arranjos que não desafinam, por serem muito bem ensaiados por governantes e governados.

Estudar, só para seguir carreiras que dão muito dinheiro e proporcionam oportunidades de enriquecimento, com um pouco de trabalho e muitas falcatruas. Poucos se convencem que ser honesto vale à pena. E, quase nenhum, acredita que o amor e a bondade vencem a guerra e a violência. É cada um por si, e torcem para que Deus não esteja com todos os outros.

Ser espiritualizado dá muito trabalho. É difícil entender essas explicações místicas em que não se tem prova visual de nada. É mais fácil estudar para ganhar dinheiro do que para atingir os Céus, ou o Nirvana. Deus bem que podia ter facilitado as coisas, e criado verdades menos complicadas e que exigissem menos estudo.

Pensando assim, atento leitor, a grande maioria das pessoas que tu conheces entra e sai do templo sem nenhum grau de evolução espiritual. Se parecem ter absorvido um pouco da energia sagrada do templo, logo perdem esse pouco, com o contato com o mundo cá fora, que se situa logo no final das escadarias do templo.

A Numerologia da Alma ensina o caminho para os Céus, para o Nirvana ou para a Iluminação, mas quem caminha é o postulante, que será o eterno peregrino em busca do local sagrado, onde irá comungar com o Divino. Não tem moleza, não, meu ingênuo leitor.

O Caminho da Iniciação é uma via crucis, semelhante à que percorreu o Cristo. E quem quiser chegar a Deus, ou ao Seu reduto sagrado, terá de sofrer como Jesus sofreu, e no final perdoar os que não sabem o que fazem.

O preço é caro, meu nobre leitor, muito caro. Pagá-lo, e ascender aos Planos Divinos, ou preferir gastar tudo com os prazeres mundanos, é uma opção pessoal de cada um. Mas, que não se reclame, mais tarde, das doenças e das desgraças, pois elas não são fatos gratuitos que se manifestam à toa, por um caso ou por acaso.

A Alma e o Corpo sofrem juntos, quando não se harmonizam entre si. As doenças ferem o Corpo, quando ocorrem essas desarmonias. A Alma padece com a dor do Corpo, e mais tarde com o seu próprio fracasso espiritual.

Ninguém se toca dos sinais que estão no ar. Deus fala a linguagem dos sinais, e todos só vêem variações climáticas e efeitos estufa. As violências não cessam de crescer, e só se discutem as causas sociais. As epidemias assolam o planeta, e só se busca solução dentro de laboratórios.

Assim caminha a humanidade até que o medo mude tudo. Talvez, não um medo desses com que estamos acostumados, mas o pavor de ter de enfrentar o desconhecido. E não estou falando de fim do mundo, porque isto nunca existiu, pelo menos do jeito que se imagina. Eu estou a me referir sobre o fim da humanidade, ou de grande parte dela.

As chances estão sendo dadas. Nunca se teve tantas informações, para que todos entendam o que está acontecendo no mundo. A cegueira impede que se veja a realidade, e cada qual só enxerga o que lhe interessa.

Ou a humanidade dá uma guinada para o espiritual, o místico e o sagrado, ou vai tudo para o brejo. Aí não adiante esperar milagres, nem de anjos e nem de alienígenas, pois eles têm mais o que fazer do que se preocupar com quem não cuida da sua própria casa.

Abre o teu olho, leitor amigo. Deixe de te preocupar com 2012, e passa a cuidar mais da tua alma. Há muito mais verdades no caminho entre os Céus e a Terra, do que pode imaginar a tua ambiciosa e materialista filosofia.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

TEIA AMBIENTAL - MANTEIGA OU MARGARINA: LATICÍNIO OU LATROCÍNIO

Teia Ambiental - em defesa da saúde!


Meus queridos e fiéis leitores, certas palavras confundem a nossa mente, e outras, nos conduzem a um jogo sonoro interessante, que ajuda a reflexões. Este é o caso das palavras laticínio e latrocínio – uma designa os derivados do leite e a outra, o ato de matar para roubar.

No grupo dos laticínios, encontra-se a manteiga, e no dos latrocínios, o uso de margarina como substituta da manteiga. A manteiga é um produto derivado do leite que vem sendo utilizada há séculos, e que, antes da Revolução Industrial, nunca fora cogitada como prejudicial à saúde.

A margarina surge com as indústrias de produção em massa, em que tudo tem de ser produzido em larga escala, e quanto mais artificial, melhor. A margarina surgiu para combater o consumo da manteiga, que dada à simplicidade da sua fabricação, pode ser fabricada em casa, para o consumo familiar.

Meu ingênuo leitor, não crê nas propagandas enganosas, que alegam benefícios à saúde, pois essas indústrias não ligam a mínima para os efeitos que seus produtos possam causar aos consumidores, desde que estejam protegidas pelas leis. E suas marcas são cuidadosamente licenciadas por Órgãos Sanitários que se importam muito menos com a saúde do corpo do que com a saúde do bolso.

A propaganda negativa contra a manteiga foi uma estratégia natural, usada por essas grandes corporações internacionais que estão costumadas a impor suas verdades à custa de fortunas em publicidade. Campanha semelhante foi promovida pelos Laboratórios contra as propriedades medicinais e curativas das águas minerais.

Valho-me de um dos inúmeros informativos que podemos encontrar na internet, e que comparam as vantagens e desvantagens da manteiga e da margarina. Deve-se, naturalmente, evitar os “sites” das empresas fabricantes, que irão puxar a brasa para as suas sardinhas.

O “site” que eu vou mencionar, e até podia usar outros, é o da nutricionista Ana Rosa, denominado Laboratório da Nutricionista, no qual ela faz uma comparação entre a manteiga e a margarina.

Segundo a nutricionista, alguns estudos evidenciam que comer margarina, em lugar da manteiga, aumenta em 53% o risco de desenvolver doenças coronarianas, principalmente nas mulheres. Afirmam os mesmos estudos que, a margarina aumenta em cinco vezes a possibilidade de contrair um câncer.

E, o que poucos sabem, porque a mídia pouco divulga, já que os grandes anunciantes são fabricantes de margarinas, e não de manteigas, é que a margarina, ao contrário do que se costuma imaginar, aumenta o colesterol ruim, o LDL, e diminui o bom, o HDL. A manteiga, principalmente as mais naturais, conhecidas como “manteigas da terra”, pelo contrário, não aumenta o colesterol.

Aumenta o teu espanto, caro leitor, pois ainda te reservo mais surpresas. A manteiga é naturalmente rica em “omega6”, um tipo de gordura essencial ao nosso corpo. A manteiga aumenta a absorção de alguns importantes nutrientes, como as vitaminas A – D – E - K, presentes em outros alimentos, além de ser fonte natural de algumas dessas vitaminas. Na margarina, todas as vitaminas são adicionadas industrialmente.

As pessoas se deixam influenciar pela publicidade, que afirma o que bem entende, até porque alegam pesquisas que ninguém confere. O resultado é que se repetem falsas verdades, com base em verdades falsas, divulgadas pela mídia, sem nenhum outro comprometimento, que não a conta publicitária do fabricante de margarinas.

Quem tiver estômago forte, pode ler a composição das margarinas, e tentar entender o motivo pelo qual eu incluo este texto na Teia Ambiental. Saúde também é ecologia, e manter o organismo limpo e puro também é uma preocupação ambiental.

Existem diversos “sites” que explicam a composição das margarinas, mas é só consultar o “site” Wikipédia, que se tem uma noção de onde os consumidores de margarina estão metidos.

Não vou te frustrar, meu leitor, e deixar-te sem uma idéia desses componentes, ainda que te recomende consultar a internet para maiores detalhes sobre as margarinas. Muitos desses elementos, eu não os conheço, nem jamais ouvi falar. Repito-os, e nada mais. Note bem, para que não se confunda, quando for perguntar ao seu médico, o motivo dele recomendar a margarina e não uma simples manteiga, produzida com creme de leite e sal.

As margarinas são compostas em suas essências por gorduras vegetais hidrogenadas, sebo de animal, ácido sulfúrico, leite de vaca, soda cáustica, ácido benzóico, ácido butil-hidro xitolueno, galato-propila, corante artificial, aromatizantes artificiais, antioxidantes artificiais, estabilizantes artificiais, vitamina A sintética e muitos outros produtos químicos. Segundo é informado, o uso do butil-hidroxitolueno é para quebrar as estruturas do sebo do boi e conservar a mistura, sendo um componente considerado altamente prejudicial à saúde.

Meus conscientes leitores raciocinem comigo. Como uma mistura explosiva desta pode ser mais saudável do que uma simples e doméstica manteiga? Como pode um médico ser capaz de receitar a substituição da manteiga por margarina, por conta de redução de colesterol. O que já se sabe que não é verdade.

As empresas de margarinas gastam fortunas para vender uma pasta artificial que promete uma saúde artificial. As agências de saúde não estão nem aí, para as porcarias que estão sendo lançadas no mercado, por empresas de projeção internacional que se vangloriam de produzir qualidade. Os governantes não se preocupam em orientar o povo, que acaba se deixando levar pela publicidade enganosa.

A margarina não é nenhuma descoberta moderna e revolucionária para proporcionar mais saúde, e quem pensa assim, não sabe o erro que está cometendo. Em 1860, o imperador Napoleão III da França ofereceu uma recompensa a quem conseguisse encontrar um substituto satisfatório e mais barato para a manteiga, que pudesse atender às classes sociais mais baixas e ao exército. O químico Hippolyte Mège-Mouriés inventou uma substância a que chamou oleomargarina, e mais tarde somente margarina, preparada com gordura de vaca, cuja porção líquida era extraída sob pressão e depois solidificada, em combinação com butirina e água.

Assim, veio a surgir essa falsa manteiga, um subproduto animal, preparado de um modo simplório e com o único objetivo de servir de alternativa barata e popular, para a tradicional manteiga. A sofisticação da margarina, como sendo um produto mais saudável do que a manteiga somente surgiu com a febre de novidades industrializadas, que tomou conta de uma sociedade que tenta escapar das doenças, mas cuja má alimentação nega essa intenção.

Agora, meus leitores, digam-me se estou errado, quando classifico como latrocínio, o que fazem essas empresas gigantescas que tentam impor verdades, à custa de publicidade enganosa e de subprodutos danosos à saúde. Elas matam e roubam. Matam, pois entregam ao consumo autênticos venenos, e roubam, pois enganam o incauto consumidor, que paga muito mais caro por produtos de má qualidade. Poluir o corpo da humanidade também é uma forma de agressão ambiental.

Não se deixem enganar, meus iludidos leitores, as propagandas são quase todas, senão todas, bem articuladas mentiras, que só têm um objetivo, o de vender. Se os efeitos do uso ou do consumo do produto anunciado ameaçam a saúde ou à vida, as instituições envolvidas não estão nem aí para isso.

Cuidado, com o que comem! O produto pode ser autorizado para consumo, mas pode não ser apropriado. E quem decide o que presta e o que não presta somos nós. Mesmo porque, por trás de todas as porcarias consideradas boas para consumo existem certificados de inspeção, que acabam comprovando que o nosso organismo é que não presta.

Eu prefiro os laticínios, pois prezo o meu corpo, e não me deixo enganar por modismos.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

A RELIGIÃO DAS RELIGIÕES

Meus devotos leitores, no meu sacro-ofício de falar da espiritualidade oculta, eu me exponho uma vez mais à ira dos fanáticos e insensatos crédulos, que na sua insana crença religiosa, julgam sua fé inatacável e a sua religião a única que conduz a Deus.

Fanatizados pelo medo e pelas ameaças dos seus líderes, esses amedrontados devotos desconhecem as origens das diversas religiões espalhadas pelo mundo. E por desconhecer a História, eles se julgam os únicos abençoados pelas graças divinas, e, nessa ingênua crença, saem a atacar e a ameaçar os que professam outras crenças.

A origem do termo RELIGIÃO vem do latim, e tanto poderia ser uma derivação da palavra RELIGIO, que quer dizer “reverência pelos deuses e respeito pelo que é sagrado”, como do verbo RELIGARE, que se traduziria de uma forma livre como ”religar o ser humano a Deus”.

A missão de qualquer religião, portanto, é convencer a criatura humana a refazer o caminho sagrado, que nos conduz a Deus, e que, por diversos motivos, possa ter sido abandonado ao longo da jornada da vida.

De acordo com este princípio, a função precípua de uma religião é harmonizar, em cada um dos seus seguidores, a condição humana com a origem divina, especialmente naqueles que se sentem infelizes ou desesperançados. O desespero, por não ver sentido na vida, aliado ao sentimento depressivo, diante de fracassos e decepções, provocam desânimos e descrenças, e é nesse momento que surge a religião como a bóia de salvação para os náufragos do Espírito.

No mundo de hoje, poucos são os que buscam as religiões para se doar e se dedicar a servir seus irmãos, assumindo a verdadeira função do religioso, de ajudar os materialistas a se religar ao seu aspecto divino. A maioria só se lembra da religião quando passa por apertos e sofrimentos, e a busca de milagres é vista como a única salvação.

Desta forma, os templos e igrejas estão povoados com religiosos e crentes que esperam mais receber do que dar, em que a presença divina em suas vidas passa a ser uma empreitada obsessiva de catequizar e impor suas crenças, como uma forma de fortalecer a sua religião perante a sociedade. Isto, nada tem a ver com Deus, mas somente com a vaidade e o egoísmo humanos.

No ocidente, o Cristo é considerado o único Filho de Deus, ainda que Ele mesmo tivesse negado essa exclusividade, em conversa com seus apóstolos. No oriente, Buda é a salvação, é se desconhece a divina missão do Cristo.

Entre esses extremos, ainda temos os seguidores de Krishna e os de Maomé. Testemunhas de Jeová e Mórmons completam esse meu quadro de religiosos em conflito, na tentativa de provar suas verdades, e não a Verdade.

Dedicarei, daqui em diante, esta minha reflexão a Buda e a Cristo, que expressaram, mesmo em épocas diferentes, as mesmas verdades básicas, só que de formas distintas. Alice Bailey, em sua obra sobre o cristianismo, denominada Do Belém ao Calvário, menciona um parágrafo do livro “Religion in the Making, de A. N. Whitehead, que afirma:

“O budismo e o cristianismo derivam, respectivamente, de dois inspirados momentos da história: a vida do Buda e a vida do Cristo. O Buda deu Sua doutrina para iluminar o mundo; o Cristo deu Sua vida”.

Podem esses seres iluminados, que nos legaram doutrinas sagradas de divina sabedoria, ter suas divindades negadas, por meros religiosos, que no seu fanatismo e ignorância teimam em não reconhecer a um e ao outro como verdadeiros Filhos de Deus? Quem são esses sacerdotes e escribas hipócritas, que afirmam o que desconhecem?

Meus pacientes leitores, eu não costumo tomar partido, a favor e nem contra qualquer religião, admiro-as a todas, desde que cumpram suas sagradas missões de religar o homem a Deus, ou a respeitar o que é sagrado. Mas, também não me calo quando vejo que cegos insistem em querer guiar cegos.

Os escritos mais antigos, muitos deles do perfeito conhecimento dos mandatários das grandes religiões do mundo, profetizam para os tempos futuros uma única religião mundial - a religião das religiões. O ecumenismo cristão tentou dar uns passos nessa direção, mas foram tímidos movimentos, mais voltados para assumir o poder central, do que em criar um consenso em torno das diversas manifestações de fé a um único Deus.

Quem se dedica a estudar essas religiões espalhadas pelo mundo percebe que elas são diversidades em torno da Unidade Divina, em que interesses humanos separam e impedem a aproximação dos seus vários seguidores, mantendo-os afastados, dissociados e eternos rivais. Alegando conflitos de dogmas, posturas ou meras tradições, essas religiões vêm fomentando guerras e cometendo crimes contra a Humanidade e contra Deus, o que, segundo o Cristo, é a mesma coisa.

A História das Religiões, segundo afirma Alice Bailey, deveria conduzir a criatura humana ao reconhecimento de que, ainda que haja muitos mensageiros, existe uma única Mensagem. A Mensagem do Cristo foi a que veio consumar todas as mensagens anteriores, que foram transmitidas por outros Filhos de Deus, tão divinos em suas origens quanto Ele.

Buda foi o Grande Instrutor do Oriente e o Cristo o Salvador do Ocidente. Mas, fica no ar a pergunta: “Será que o Oriente aprendeu o que foi ensinado por seu Instrutor e o Ocidente se salvou com o sacrifício do seu Salvador?”

A resposta está diante dos nossos olhos, na tela da TV ou do computador. Uma ou outra atitude do Papa, e algumas ações mais ousadas do Dalai Lama, não conseguem sensibilizar os religiosos, que mantêm suas rivalidades.

Alice Bailey acreditava que o Buda preparou o mundo para receber o Cristo, com a sua mensagem e a sua missão salvadora. O mesmo se poderia dizer de Grandes Seres como Pitágoras e Platão, na Grécia, Krishna, na Índia e Lao Tzé, na China. Em várias épocas diferentes, esses Mestres encarnaram entre os humanos trazendo mensagens divinas que foram esquecidas com o tempo, ou usadas como armas para atacar e condenar os seguidores de outras crenças.

Meus atentos leitores, a triste realidade é que passados séculos e milênios, os religiosos ainda queimam seus desafetos na fogueira das vaidades ou queimam imagens de santos na sua intransigência religiosa. Ninguém parece ter entendido nada do que seus líderes religiosos deixaram como mensagens.

Até quando, tu ainda insistirás em convencer o teu irmão que a tua religião é a única que conduz a Deus? E tu que estás pensativo, por que não abraças o teu irmão e assiste uma missa ao lado dele e, depois, vão juntos à tua congregação ouvir a palavra do teu pastor?

E tu, bondoso judeu, o que estás esperando para freqüentar a mesquita do teu vizinho palestino e lá ouvir trechos do Alcorão, e, depois, levá-lo ao teu templo de orações, e pedir ao teu rabino que interprete para ambos, os ensinamentos do Torá?

Até quando, os homens continuarão a matar em nome de Deus? Como se pode falar em Deus, no meio do ódio e de assassinatos de velhos, mulheres e crianças? Os tempos são outros, mas as atitudes pouco mudaram. As Cruzadas já não têm mais sentido e a Inquisição foi reconhecida pela Igreja Católica como uma mancha negra na sua história. Mas, as rivalidades permanecem.

Dentro de mais algumas décadas, ou séculos, uma nova crença estará unindo os sobreviventes dessa humanidade suicida, que mata os seus irmãos e se mata, em nome de um Deus amoroso e protetor. Não mais existirão religiões, mas uma só religião que pregará o amor de todos por todos. Os Filhos do Homem serão todos potencialmente Filhos de Deus. E a religião das religiões surgirá revelando os segredos e mistérios da Natureza.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

TEIA AMBIENTAL - USINA NUCLEAR, NUNCA MAIS!





Teia Ambiental - em defesa da vida!

USINA NUCLEAR, NUNCA MAIS!

Meus amáveis e fiéis leitores, este seria o brado heróico que gostaria de ouvir do povo brasileiro – USINA NUCLEAR, NUNCA MAIS! Mas, não é em bom português que essa frase vem ecoando no mundo, mas em idiomas que jamais esperávamos ouvir, pronunciando esse grito de revolta.

Ouço os alemães berrarem nas ruas contra as Usinas Nucleares, e sou informado que na Alemanha, daqui para frente, elas não serão mais construídas. E as que já existem serão desativadas até 2022.

Agora há pouco tempo, no dia 19 do mês de setembro, leio a notícia que sessenta mil cidadãos japoneses enfurecidos foram às ruas protestar contra o uso da energia nuclear no país. Os manifestantes foram exigir do novo primeiro-ministro que suspenda os investimentos em energia nuclear.

Esses povos são reconhecidos como frios e ordeiros, e avessos à baderna e aos protestos. Se esses foram para as ruas, e estavam a cobrar das autoridades que parassem com essas atividades nucleares, certamente não se tratava de uma manobra política ou reivindicações econômicas.

Essas pessoas estavam lutando pela sua sobrevivência e a de todos nós, que habitamos neste planeta. Os japoneses estão pouco acostumados com protestos que levem tanta gente para as ruas. Acontece que a paciência desse pacato povo oriental chegou ao limite após o desastre de Fukushima, que juntou um abalo sísmico violento com um tsunami arrasador.

Uma grande área em torno dessa usina ainda está contaminada e a radiação está penetrando nos organismos desses japoneses, pelo ar, pela água e pelos alimentos. E ainda tem governante com a petulância de falar em progresso e crescimento econômico, apoiados em energia nuclear! É um desrespeito que passou do limite suportável para o ordeiro povo japonês.

O governo japonês anunciou um plano de reduzir a produção de energia nuclear no país, mas esse projeto levará décadas. E enquanto isso o povo continuará correndo os mesmos riscos de sempre, sem nenhuma segurança de que outros desastres semelhantes não voltarão a acontecer.

A reação japonesa, surpreendente, é verdade, mas perfeitamente coerente e justa, não foi de protesto, mas de indignação e revolta, que é bem mais do que um simples ato formal contra uma lei ou uma decisão governamental. O povo continua exposto à radiação, a usina de Fukushima continua contaminando ares e mares, adoecendo e condenando à morte milhares de cidadãos, e o governo anuncia que vai apenas reduzir o uso de energia nuclear!

Meus pacientes leitores, não há calma oriental que agüente! Os sessenta mil japoneses gritaram e se rebelaram em nome de todos nós, habitantes do planeta Terra. Que seres são esses que governam os povos? Onde eles pretendem chegar? Não se trata de um protesto japonês contra os governantes japoneses, mas de uma revolta de toda a humanidade contra essa visão curta das elites do poder.

As autoridades alemãs já definiram data para fechar suas usinas nucleares. Se elas cumprirão os prazos prometidos, ninguém pode saber, mas os cidadãos alemães já mostraram aos seus governantes que não estão de brincadeira.

E nós, meus leitores brasileiros, e nós! Até onde irá essa empáfia de nossos técnicos e autoridades, garantindo a expansão das usinas de Angra dos Reis, com a mais absoluta segurança.

A quem esses colarinhos brancos ou cinzentos pretendem enganar? Eles estão falando de usinas compradas na Alemanha, as mesmas que serão desligadas com prazo marcado, porque lá elas oferecem alto risco ao povo alemão.

E tu acreditas que a usina que é uma ameaça lá, será segura por cá? Não, tu não és tão ingênuo assim! Ou, se insistires, eu te verei como mal intencionado, com algum interesse escuso por trás dos panos.

Milhares de alemães foram às ruas dizendo não às suas usinas nucleares. E nós brasileiros as aceitamos calados, como se fosse uma fatalidade. Quantos de nós ainda precisaremos sensibilizar essa elite do poder que nós entendemos que progresso é qualidade de vida e segurança! Dinheiro é bom, quando não ameaça a vida da gente.

Pobres de nós, até quando continuaremos a eleger e a sustentar quem só pensa em si, e não está nem aí para os riscos que corremos, quando tomam essas decisões que nós, cidadãos, rejeitamos, mas que fogem do nosso controle!

As usinas alemãs serão desligadas, para garantir a segurança do povo alemão. As usinas alemãs serão instaladas no Brasil, para o progresso econômico do povo brasileiro. Tu entendes essa decisão, meu nobre leitor? Nem eu. Ou melhor, nós entendemos, só precisamos saber quem sairá ganhando pondo em risco a vida de brasileiros.

Ou será que os nossos alemães de cá são mais competentes do que os alemães de lá! A nossa Teia tem que tecer tramas entre os brasileiros mais conscientes, para que esses fios que irão colocar nossas vidas em risco jamais sejam ligados.

Vê se te liga meu atento leitor, te liga!